Synchronicity, o último álbum do Police completa 30 anos neste sábado

Padrão
Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis

Um dos maiores álbuns da história do rock e o último da banda inglesa The Police, o conceitual Synchronicity completa 30 anos de seu lançamento neste sábado (1º).

O quarto álbum do trio formada por Sting, Andy Summers e Stewart Copeland trouxe na época uma nova perspectiva na sonoridade do grupo: arranjos mais elaborados e por que não dizer, arrojados, se comparados com os quatro trabalhos anteriores da banda.

O titulo foi inspirado no livro Roots Of Coincidence, do escritor Arthur Koestler (1905-1983) lançado em 1972 e que falecera três meses antes do lançamento de Synchronicity. Sting era um ávido leitor de Koestler, o que deixa claro que a palavra final nos rumos da banda era dele.

O livro que inspirou o disco

Reprodução

Reprodução

O livro explica sobre as teorias da parapsicologia, percepção extra-sensorial e ainda exemplifica ligações com fenômenos paranormais, indo de encontro ao conceito de sincronicidade proposto por Carl Jung (1875-1961). Toda essa atmosfera é convertida em um coerente diálogo na canção Synchronicity I onde o uso de sintetizadores com uma textura musical mais densa, criam o ambiente ideal para esta reflexão. É o primeiro indício de uma mudança na musicalidade do The Police.

Deixando o Ska um pouco de lado e mergulhando em outras ondas mais experimentalistas como a World Music, é que encontramos as canções Wrapped Around Your Finger, Waling In Your Footsteps e Tea In The Sahara – outras oportunidades onde os sintetizadores ditam a textura musical, apoiados pela belíssima voz de Sting, a guitarra sempre precisa de Summers e a técnica inconfundível de Coppeland – este sempre decisivo nos complexos arranjos da banda.

As gravações de Synchronicity duraram três meses, em um estúdio do quinto-beatle George Martin na ilha caribenha de Montserrat e no Le Studio no Quebéc, no Canadá francês. Apesar da primorosidade das composições no auge criativo do grupo, nao foi fácil para o conceituado Hugh Padgham assinar a produção – ele quase desiste do projeto por desavenças na banda, principalmente entre Sting e Coppeland.

Os integrantes do The Police no Air Studios, na ilha caribenha de Montserrat, durante as gravações de "Synchronicity" / Foto: Lynn Goldsmith / Corbis

Os integrantes do The Police no Air Studios, na ilha caribenha de Montserrat, durante as gravações de “Synchronicity” / Foto: Lynn Goldsmith / Corbis

Para que o trabalho não fosse “para o espaço”, Padgham teve que se virar: colocou os três integrantes em locais diferentes do estúdio para que as gravações acontecessem – Coppeland ficou com a sua bateria na sala de jantar, Summers ficou no estudio principal e Sting na sala de controle do estudio.

A romântica Every Breath You Take, além de ter sido o maior sucesso do disco, foi, irônicamente, composta quase aos “tapas” entre o vocalista e o baterista.

The Police - Synchronicity

Apesar de tudo, Synchronicity foi um grande sucesso artístico e comercial: conquistou oito discos de platina nos EUA, além de conquistar também no Canadá, França, Alemanha, Hong Kong e Reino Unido, além de ter sido o “algoz” da obra-prima Thriller de Michael Jackson, substituindo-o no topo das paradas no planeta. Foi um grande êxito da lendária gravadora A&M Records.

Ao todo, foram vendidas mais de 9 milhões de cópias em todo o mundo e encerrou com chave-de-ouro o legado de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=svWINSRhQU0″%5D

Anúncios

Autora de "A Cor Púrpura" pede a Alicia Keys que não se apresente em Israel

Padrão
Divulgação

Divulgação

Assinatura

A escritora Alice Walker que ganhou o Prêmio Pulitzer pelo romance A Cor Púrpura em 1983 enviou uma carta à cantora Alicia Keys para que ela não se apresente na cidade de Tel Aviv, em Israel. As informações sao do site Hollywood Reporter.

Walker que é uma defensora da Campanha Palestina pelo Boicote Acadêmico e Cultural de Israel, advertiu a artista e classificando-a como “alma perigosa” realizando um show no que ela chama de “um pais do apartheid”.

Alice Walker conta pelas 400 palavras contidas em sua carta que os funcionários do governo israelense “afirmaram específicamente a sua intenção de minimizar o conflito palestino, usando as artes a cultura para apresentar Isreal como um lugar moderno e acolhedor”.

A cantora ainda não se pronunciou à respeito.

Red Hot Chili Peppers entram estúdio para gravar novo álbum

Padrão
Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis

A banda californiana Red Hot Chili Peppers entrará em estúdio no mês de setembro para iniciar as gravações do sucesso de I´m With You. As informações são do semanário inglês The New Musical Express.

O baterista Chad Smith adiantou a novidade à Billboard: “Provávelmente, estaremos reunidos em setembro e começaremos a escrever músicas para o novo álbum. Sempre temos algumas idéias que pegamos em algumas “jams”, passagens de som e shows“, disse.

O Red Hot Chili Peppers estará a caminho do Brasil em novembro

Demi Lovato admite que não pretende sair em turnê

Padrão
Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis

A cantora Demi Lovato admitiu em entrevista ao site Digital Spy que não pretende sair em turnê, pelo menos agora. Os motivos: uma cirurgia que ela deverá sofrer nas amigdalas em breve e o tempo o qual ela está se dedicando para as gravações do The X Factor.

Ela explicou: “Por ora, não tenho planos de fazer turnê em lugar nenhum. Isso é um pouco chato, mas sei que estarei bem dentro de algumas semanas. As cosias poderiam ser piores”.

Lovato, que lançou recentemente seu quarto álbum de estúdio Demi pela Hollywood Records deixou escapar que a sua opinião pode mudar: “Estou dizendo isso agora, mas depois vou acabar fazendo”, concluiu.

Velvet Underground e Andy Warhol: representantes entram em acordo por capa de 1967

Padrão
Reprodução

Reprodução

Marcelo de Assis
Jovem Pan Online

A icônica capa do álbum do Velvet Underground que recebeu a colaboração da cantora alemã Nico (1938-1988) em 1967 foi alvo de uma disputa judicial por direitos autorais com os representantes do saudoso artista Andy Warhol (1928-1987), considerado um dos mestres do conceito pop e que também assinou a produção musical com Tom Wilson (1931-1978).

De acordo com a Billboard, a banana estampada no referido álbum tornou-se objeto de controvérsia na questao de direitos autorais, depois que a Andy Warhol Fundation planejou licenciar a capa para um projeto que envolveria produtos da Apple como o iPod e o iPad. Com isso, os representantes da antiga banda de Lou Reed e John Cale entraram com processo em um tribunal federal de Nova York alegando de que a ilustração havia e tornado “um simbolo, um verdadeiro ícone do Velvet Underground” poder décadas.

Porém na última terça (28), um juiz federal de Nova York rejeitou o caso, porque um advogado da Andy Warhol Foundation emitiu um comunicado onde estava celebrado um acordo confidencial entre as partes: o desenho da banana não foi registrado á epoca de sua criação nos órgãos de direitos autorais dos EUA e sequer tinha algum aviso de copyright. Além disso, Andy Warhol baseou sua obra de arte em um anúncio. E a idéia de que a imagem era de domínio público foi aceita.

Divulgação

Divulgação

The Velvet Underground and Nico foi o primeiro álbum a ser gravado pela banda americana liderada por Lou Reed, tendo sido gravado entre abril e maio de 1966 e lançado em março de 1967. Tornou-se uma referência musical dos anos 60, com experimentações melódicas que variam desde o pós-punk, avant-garde e rock psicodélico e em suas composições, recebeu letras ácidas que falavam sobre o abuso de drogas e prostituição.

Em outubro de 2012, o álbum ganhou uma edição deluxe de 45 anos do lançamento, com versões ao vivo de apresentações realizadas em 1966.

George Michael recebe alta após sofrer acidente de carro

Padrão
Reprodução

Reprodução

Marcelo de Assis

O cantor George Michael recebeu alta do grave acidente de carro que ele sofreu recentemente. Segundo seus acessores “ele continuará descansando e se recuperando” e que o artista “agradece a todos por todas as mensagens de apoio”, reporta o Hollywood Reporter.

No acidente, George Michael sofreu uma queda do veículo enquanto o mesmo corria à 110 km/h. Apesar dos últimos relatos de que o cantor teria sido internado para tratar apenas cortes superficiais e escoriações, pelo tempo em que ficou no hospital, sugere que tenha sido algo bem mais grave.

Uma mulher chamada Katherine Fox, que é uma das que presenciaram a cena do acidente, informou ao jornal The Sun tinha “um corte feio na testa e na nunca e que havia muito sangue em seu rosto e nos dentes”. A fonte ainda disse que, mesmo assim, “ele estava respirando e consciente, mas em estado de choque”.

Não é a primeira vez em que George Michael se envolve em confusões desse tipo: em 2006 ele foi flagrado batendo em três carros ao tentar estacionar seu veículo. Em  2007 ele teve a sua habilitação suspensa por dois anos por conduzir o carro sob efeito de drogas. Em 2010, outro acidente de carro que obrigou as autoridades a efetuar a prisão do cantor por 8 semanas.

Show "Entre 4 Paredes" reúne novos artistas da MPB em São Paulo

Padrão
Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis

O espetáculo Entre 4 Paredes vai apresentar as composições do cantor e compositor Henrique Athayde hoje às 21 hs no Viga Espaço Cênico (Rua Capote Valente, 1323 – Vila Madalena). Os ingressos custam R$ 20 (meia-entrada, R$ 10).

Athayde convidou os parceiros musicais Markus Thomas e Livia Humaire para celebrar as canções. O trio faz parte de uma nova leva de artistas da nova MPB. Vale a pena conferir!

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=qhR8F3DIgZs”%5D