Synchronicity, o último álbum do Police completa 30 anos neste sábado

Padrão
Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis

Um dos maiores álbuns da história do rock e o último da banda inglesa The Police, o conceitual Synchronicity completa 30 anos de seu lançamento neste sábado (1º).

O quarto álbum do trio formada por Sting, Andy Summers e Stewart Copeland trouxe na época uma nova perspectiva na sonoridade do grupo: arranjos mais elaborados e por que não dizer, arrojados, se comparados com os quatro trabalhos anteriores da banda.

O titulo foi inspirado no livro Roots Of Coincidence, do escritor Arthur Koestler (1905-1983) lançado em 1972 e que falecera três meses antes do lançamento de Synchronicity. Sting era um ávido leitor de Koestler, o que deixa claro que a palavra final nos rumos da banda era dele.

O livro que inspirou o disco

Reprodução

Reprodução

O livro explica sobre as teorias da parapsicologia, percepção extra-sensorial e ainda exemplifica ligações com fenômenos paranormais, indo de encontro ao conceito de sincronicidade proposto por Carl Jung (1875-1961). Toda essa atmosfera é convertida em um coerente diálogo na canção Synchronicity I onde o uso de sintetizadores com uma textura musical mais densa, criam o ambiente ideal para esta reflexão. É o primeiro indício de uma mudança na musicalidade do The Police.

Deixando o Ska um pouco de lado e mergulhando em outras ondas mais experimentalistas como a World Music, é que encontramos as canções Wrapped Around Your Finger, Waling In Your Footsteps e Tea In The Sahara – outras oportunidades onde os sintetizadores ditam a textura musical, apoiados pela belíssima voz de Sting, a guitarra sempre precisa de Summers e a técnica inconfundível de Coppeland – este sempre decisivo nos complexos arranjos da banda.

As gravações de Synchronicity duraram três meses, em um estúdio do quinto-beatle George Martin na ilha caribenha de Montserrat e no Le Studio no Quebéc, no Canadá francês. Apesar da primorosidade das composições no auge criativo do grupo, nao foi fácil para o conceituado Hugh Padgham assinar a produção – ele quase desiste do projeto por desavenças na banda, principalmente entre Sting e Coppeland.

Os integrantes do The Police no Air Studios, na ilha caribenha de Montserrat, durante as gravações de "Synchronicity" / Foto: Lynn Goldsmith / Corbis

Os integrantes do The Police no Air Studios, na ilha caribenha de Montserrat, durante as gravações de “Synchronicity” / Foto: Lynn Goldsmith / Corbis

Para que o trabalho não fosse “para o espaço”, Padgham teve que se virar: colocou os três integrantes em locais diferentes do estúdio para que as gravações acontecessem – Coppeland ficou com a sua bateria na sala de jantar, Summers ficou no estudio principal e Sting na sala de controle do estudio.

A romântica Every Breath You Take, além de ter sido o maior sucesso do disco, foi, irônicamente, composta quase aos “tapas” entre o vocalista e o baterista.

The Police - Synchronicity

Apesar de tudo, Synchronicity foi um grande sucesso artístico e comercial: conquistou oito discos de platina nos EUA, além de conquistar também no Canadá, França, Alemanha, Hong Kong e Reino Unido, além de ter sido o “algoz” da obra-prima Thriller de Michael Jackson, substituindo-o no topo das paradas no planeta. Foi um grande êxito da lendária gravadora A&M Records.

Ao todo, foram vendidas mais de 9 milhões de cópias em todo o mundo e encerrou com chave-de-ouro o legado de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=svWINSRhQU0″%5D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s