GUSTAVO GALO, DA TRUPE CHA DE BOLDO, LANÇA PRIMEIRO ÁLBUM SOLO

Padrão

Jovem cantor e compositor paulistano, Gustavo Galo lança, neste início de 2014, seu primeiro disco solo, “ASA”, produzido por Gustavo Ruiz e Tatá Aeroplano. Após oito anos de estrada e dois discos com a Trupe Chá de Boldo, na qual é cantor e principal compositor, Galo percorre agora novos caminhos em um trabalho mais intimista, com formação instrumental mais enxuta, sonoridade minimalista, mais roqueira que a Trupe.

“Moda”, que está disponível na internet (https://soundcloud.com/gustavogalo), é o primeiro single. É ele mesmo quem conta como surgiu a ideia: “Fiz ‘Moda’ depois de, por acaso, encontrar um amigo de infância. Foi logo que a Trupe Chá de Boldo lançou o clipe de ‘Na Garrafa’ e conseguimos chegar em primeiro lugar naquele ranking da MTV dos vídeos mais pedidos pela audiência. Ficamos em primeiro e o Justin Bieber em segundo. Foi engraçado. Enfim, eu não via esse amigo desde um longo tempo. Ele virou pra mim e disse: “Pô, você tá famoso!”. Eu fiquei meio assustado. Perguntei: “famoso?”. Expliquei que eu estava duro, morando de aluguel com mais 4 na Lapa e que na verdade eu não tinha fama alguma. Ele se corrigiu e concluiu: ‘Tudo bem. Não é fama. É que você tá na moda’. Essa frase ficou na minha cabeça. Fiquei pensando na moda de viola e na moda da Oscar Freire. E fiz minha moda ‘sem renda’ e com muito prazer.”-.

O show de lançamento de “ASA” será dia 13 de fevereiro no SESC Vila Mariana.

Anúncios

Entrevista com Ray Wilson, a última voz do Genesis

Padrão

 

Ele foi considerado a última voz de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, o Genesis. Em 1998 ele aceitou o desafio de substituir Phil Collins nos vocais. Estamos falando de Ray Wilson que aceitou o nosso convite para uma entrevista exclusiva ao The Music Journal Brazil.

Aqui ele fala de seu novo projeto-solo com releituras em estilo clássico dos sucessos do Genesis, revela momentos que teve ao lado de Tony Banks e Mike Rutherford e de sua passagem pelo Brasil em 2005. Vamos conferir:

Marcelo de Assis: Ray, você está atualmente em turnê pela Europa. Como tem sido os shows?

Ray Wilson: Eu me apresentei durante muitos anos na Europa e eu tenho um grande público aqui. Muitos fãs dedicados. Eu realmente gosto das turnês, e é por isso que eu excursiono com tanta frequência.

Marcelo de Assis: Seu último álbum Ray Wilson and The Berlin Symphony Ensemble apresenta a leitura de vários hits do Gênesis e até de Phil Collins com a música clássica. Conte-nos sobre este projeto e como surgiu esta idéia…

Ray Wilson: É óbvio que existem muitas grandes canções do Genesis como um todo, incluindo as canções da carreira-solo de Phil, Peter (Gabriel) e Mike Rutherford. Eu decidi fazer um show clássico, que inclui minhas músicas favoritas da banda, as carreiras-solo e a minha própria música. O show é de duas horas e meia de duração, para que ele realmente se beneficie de grandes canções de todos esses grandes artistas.

Marcelo de Assis: Você ouve música clássica?

Ray Wilson: Não, realmente. Hoje eu moro na Polônia, a casa de Chopin, então, eu passei a ouvi-lo mais vezes, embora eu seja um cara “Rock´n´roll” (risos)

Marcelo de Assis: Ray, quais foram as suas maiores influências musicais?

Ray Wilson: Desde muito cedo, David Bowie, Rush, AC/DC e também bandas como Live, Pearl Jam, Ryan Adams, Bruce Springsteen, Neil Young e assim por diante…

Divulgação

Divulgação

Marcelo de Assis: Ray, como surgiu o convite para fazer parte do Genesis? E qual foi a sua reação ao conquistar esta oportunidade?

Ray Wilson: Minha banda Stiltskin estava indo muito bem na metade dos anos 90. Nós assinamos um contrato com a Virgin Records ao mesmo tempo em que o Genesis assinou. Quando o Phil saiu, eles me chamaram para substitui-lo como cantor e compositor.

Marcelo de Assis: Mas chegou a ser cogitado de que a banda não se chamaria Genesis, já que Daryl Stuermer e Chester Thompson não continuariam como membros?

Ray Wilson: Daryl e Chester eram apenas uma parte da banda ao vivo. Eles nunca foram membros do Genesis. Ambos são grandes músicos…

Marcelo de Assis: E como era seu relacionamento com Tony Banks e Mike Rutherford no estúdio? Como foi essa adaptação do seu estilo musical com o deles?

Ray Wilson: Foi um pouco confuso no início. Eles são muito mais velhos do que eu, então eu basicamente seguia seus exemplos. Quando começamos a turnê, o equilíbrio ficou deslocado, porque, sendo o homem de frente, eles confiaram em mim para pfazer um bom trabalho. Eu sempre gostei de trabalhar com eles. São pessoas talentosas.

Marcelo de Assis: Ray, como você se sentiu com a responsalbilidade de substituir Phil Collins no Genesis. Do ponto de vista emocional, você se preparou para uma inevitável pressão dos fãs e da imprensa?

Ray Wilson: Foi muito divertido. Um grande desafio, mas divertido. Era sempre um prazer cantar as grandes canções do Genesis e também escrevê-las com a banda. Eu nunca me senti intimidado pela tarefa.

Marcelo de Assis: Você sempre foi um fã do Genesis?

Ray Wilson: Eu era mais fã do Peter Gabriel, mas, sim, eu gostava da banda. Trick Of Tail é meu álbum favorito.

Marcelo de Assis: Ray, você pode definir como a musicalidade do Genesis acrescentou em sua carreira?

Ray Wilson: É difícil dizer… Talvez seja empregada na minha música como um pouco menos nervosa. O Stiltskin tinha um som grunge e depois do Genesis, a minha música mudou.

Marcelo de Assis: Antes de iniciar seu trabalho no Gênesis, você chegou a falar com o Phil Collins?

Ray Wilson: Só por telefone. Acho que o Phil estava desapontado porque o Genesis continuou sem ele, mesmo que ele tivesse entendido o porquê disso. Genesis era uma grande parte de sua vida e eu entendo isso.

Marcelo de Assis: Calling All Stations foi um grande trabalho do Genesis que teve grande aceitação do público na Europa, foi bem recebido pela crítica, mas a aceitação no mercado norte-americano não foi o esperado. Analisando as duas circunstâncias, a que conclusão você chegaria, hoje, depois de quatorze anos?

Ray Wilson: Tudo aconteceu tão depressa. Eu não prestei muita atenção ao mercado. Olhando para trás acho que fizemos um bom álbum e a turnê deveria ter continuado com certeza. Recebo muitos e-mails de fãs dos EUA, então eu acho que foi mais uma questão de marketing. Phil também estava se tornando bem menos sucedido como um artista-solo nos EUA naquela época. Eu acho que nós também pagamos por um preço devido a isso.

Marcelo de Assis: Qual foi sua inspiração para escrever Not About Us ?

Ray Wilson: É basicamente uma canção sobre não pensar apenas em seus próprios problemas o tempo todo. Sempre haverá alguem com problemas maiores que você.

Marcelo de Assis: Você esteve no Brasil em 2005. Qual foi a impressão que você teve dos fãs brasileiros?

Ray Wilson: Eles conhecem sua música. Parecem ser muito honestos com os seus sentimentos. Eu gostaria de voltar com a minha nova banda. Seria muito divertido.

Marcelo de Assis: Você conhece a música brasileira?

Ray Wilson: Não muito, infelizmente…

Marcelo de Assis: Não seria um grande momento para você anunciar um retorno ao nosso país em breve?

Ray Wilson: Bem, eu devo me apresentar no Chile e na Argentina em julho deste ano, então, eu espero me apresentar novamente no Brasil. Eu gostaria muito.

Marcelo de Assis: Ray, muito obrigado pela sua entrevista e pela sua grande contribuição para o rock, que você faz com maestria!

Ray Wilson: O prazer é todo meu, Marcelo! Muitas felicidades para você e aos seus leitores!

Djavan tem toda a sua discografia disponível em formato digital

Padrão

Uma boa notícia para os fãs do Djavan!

Toda a sua discografia está a venda no iTunes, informou hoje, a Sony Music.

Os álbuns de 1982 a 2011.

Alias, é o retorno de Djavan a referida gravadora depois de 11 anos e que contará com o lançamento do CD e DVD Rua dos Amores Ao Vivo em parceria com a Luanda Records.

O show foi gravado em novembro do ano passado no HSBC Brasil em São Paulo.

Segue a lista dos albuns que foram relançados digitalmente:

Luz (1982)
Lilás (1984)
Meu Lado (1986)
Não é Azul, mas é Mar (1987)
Djavan “Oceano” ( 1989)
Coisa de Acender (1992)
Novena (1994)
Malásia (1996)
Bicho Solto (1998)
Djavan ao Vivo Vol 1 e Vol 2 (1999)
Milagreiro (2001)

Lolla Parties em São Paulo: Muse e Jake Bugg confirmados

Padrão

Quatro atrações do Lollapalooza 2014, que acontece nos dias 5 e 6 de abril no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, são responsáveis pelas Lolla Parties na cidade, que contam com performances mais intimistas para os fãs.

O anúncio foi realizado pela produtora Time For Fun na tarde de hoje.

Headliner do primeiro dia de festival, a banda Muse faz única apresentação para 2.500 fãs no Grand Metrópole no dia 3 de abril. Sensação da música eletrônica, o duo Disclosure, apresenta set exclusivo também no Grand Metrópole, em 5 de abril, mesmo dia em que participa do festival. O grupo Cage The Elephant, no line-up de sábado do Lolla, toca no Cine Joia no dia 04 de abril. E o jovem músico inglês Jake Bugg, atração do segundo dia de festival, apresenta seu folk rock para o público no Cine Joia, dia 5 de abril. Ambos para 1500 espectadores.

Ingressos para os shows do Cage the Elephant e Jake Bugg serão vendidos a partir de 19 de fevereiro. Já os ingressos do Muse poderão ser adquiridos a partir de 21 de fevereiro. Para as três apresentações, as vendas serão realizadas na bilheteria oficial no Citibank Hall São Paulo (Av. das Nações Unidas, 17.955), pelo site www.ticketsforfun.com.br, pelo telefone 4003-5588 ou pelos pontos de vendas espalhados pelo país.

Informações sobre venda de ingressos para o show do Disclosure serão divulgadas em breve.

Foto: Divulgação

JOTA QUEST ANUNCIA NOVA TURNÊ PARA 2014

Padrão

O Jota Quest vai entrar em nova turnê!

As datas das primeiras apresentações em 2014 com o repertório de seu sétimo álbum de estúdio Funky Funky Boom Boom e outros grandes sucessos da banda mineira já foram definidos:

29 de março na Fundição Progresso – Rio

12 de abril no Citibank Hall – São Paulo

O novo espetáculo trará ainda novos arranjos para grandes hits da banda, com destaque para a participação especial dos metais do coletivo paulista Funk Como Le Gusta, além de um trio de backing vocals.

O show promete aos fãs novas experiências visuais, que assistirão a um novo cenário e iluminação especialmente elaborados.

Alias, nos últimos dias foi lançado o novo single Waiting For You, que vai ganhar um versão em vídeo e que terá a direção de Paula Lavigne.

As gravações ocorreram no último domingo (17)  no Estúdio do Cais, Rio de Janeiro.

A produção contou com a participação do grupo Intrépida Trupe e teve os integrantes do Jota fazendo acrobacias em cordas ao lado dos artistas. O vocalista Rogério Flausino, mesmo com uma bota ortopédica, se divertiu durante a gravação.

Animações especiais e uma pós-produção impecável farão parte do novo clipe!

Foto: Mauricio Nahas

Dilsinho em entrevista: "Estou vivendo um sonho"

Padrão

“Estou vivendo um sonho!”

Esta é a frase que define o atual momento do cantor, compositor e revelação do samba pop romântico Dilsinho, que já escreveu excelentes composições para grandes nomes do samba como Thiaguinho, Alexandre Pires e Mumuzinho, assinou com a Universal Music e, em entrevista, nos contou sobre o lançamento de seu primeiro disco autoral.

Aos 13 já se estabelecia em uma carreira profissional, dentro das rodas de pagode em meio aos amigos e sua família, que sempre estiveram presentes desde o inicio: “Nunca tive restrições por parte da familia. Pelo contrario, eles sempre viveram demais isso comigo, me apoiando e dentro de casa mesmo eu tive influências porque a minha familia tem pessoas envolvidas com artes, músicos e tenho uns tios que tocam pagode também, então, já veio ali mesmo aquela vontade de trabalhar com musica”, disse.

Oito anos depois, Dilsinho encara este grande desafio – o lançamento de seu álbum – com muita alegria. Olhando para trás e analisando toda a experiência que adquiriu, relata que tudo tem sua hora: “Quando completei 13 anos, comecei a tocar em barzinhos onde morava e sem muita experiência mas sempre queremos tudo na hora né? Mas não é no nosso tempo, é no tempo de Deus”, reflete. “Eu fiquei muito feliz de lançar meu primeiro disco em uma gravadora grande. Estou bem representado”.

Parceria com Alexandre Pires

Dilsinho se recorda do momento em que uma de suas composições foi parar na voz do cantor Alexandre Pires, que, para ele, pode ter sido um divisor de águas em sua carreira: “Eu tenho um parceiro Lincoln de Lima, um produtor conceituado que também é meu amigo pessoal e que me deu a oportunidade de me aproximar do meio artistico”

Lima não titubeou e levou a música para Pires: sucesso imediato.

“Eu não tinha pretensão de ser um compositor conceituado por ser gravado por varios artistas, mas como oportunidade para mim no momento pensei: vai ser demais! – e sempre fiz musicas para que eu cantasse, meu sonho era ouvir minha voz na radio e dizerem: e o Dilsinho que esta cantando. Mas se não fosse isso derrepente eu nem estaria falando com você aqui!”

Samba sem regras

Em nosso diálgo, questionei Dilsinho como ele avalia o samba nos dias de hoje. Nas palavras do artista, o quesito inovação é fundamental: “Não existe uma regra para se fazer samba: neste primeiro CD eu queria chegar com algo original . Então eu não me preocupei com seguir uma tendencia que esta rolando no momento ou derrepente fazer alguma que todo mundo esta fazendo. E ai eu procurei fazer as coisas que eu me sentisse a vontade. Eu fiz algumas coisas com influencia do pop. Hoje em dia não tem muito essa coisa de seguir uma regra, acho o que vale é uma musica feita com amor para as pessoas”.

Ídolos? Não! Amigos!

Dilsinho ouviu muita MPB desde cedo – Caetano Veloso, Gal Costa, Djavan, entre muitos outros – mas ele confessa que não tem um ídolo: “Não tem como eu falar um nome! Nunca me apeguei a um artista. No meu gênero pagode eu tenho um carinho e uma admiração pelos meus amigos Bruno do Sorriso Maroto, Thiaguinho, Revelação, Grupo Bom Gosto”, afirma.

“Existe um misto de coisas que vão se resumir em mim mesmo”.

Um show de lançamento do seu novo álbum deverá acontecer após o Carnaval. O single Já Que Você Não Me Quer Mais é a primeira música de trabalho de Dilsinho e que já mostrou bons resultados: se estabeleceu no TOP 5 das rádios cariocas e na média nacional, TOP 10. Mesmo assim, ele sabe que a partir de agora os desafios serão maiores e não quer desapontar: “Não quero ser um artista que vai passar. Eu quero realmente fortalecer meu nome no samba. Quero ser alguem para somar. Tenho certeza que tudo isso vai acontecer!”.

Com um vasto repertório de músicas românticas, perguntei se havia alguém que fosse uma inspiração para ele. De uma forma bem humorada, quase tímida, disse:

“Não tenho. Ate queria mas não tem não” (risos) Faço as musicas mesmo para o público”, encerrou.

Foto: Divulgação

[youtube_sc url=”http://www.youtube.com/watch?v=IWwiJ_4xn_U”%5D

DVD Chico & Vinicius para Crianças conquista disco de ouro no Brasil

Padrão

Os principais clássicos de Chico Buarque e do eterno poeta Vinicius de Moraes foram reunidos em um DVD para as crianças: Chico & Vinicius para Crianças.

A idéia se transformou em sucesso comercial e hoje a gravadora Universal Music Brasil e a ABPD conferiram o disco de ouro, o que equivale as vendas superiores a 25 mil cópias.

A filha de Vinicius, Maria de Moraes foi convidada pela gravadora para receber a homenagem!

Entre os clássicos, se destacam O Pinguim (Toquinho), João e Maria (Nara Leão e Chico Buarque) e O Pato (MPB-4).

Chico e Vinicius

Chico Buarque & Vinicius de Moraes
Chico & Vinicius Para Crianças, 2013

Disco de Ouro em 14 de fevereiro de 2014 pela Universal Music Brasil e ABPD (Brasil)

Selo: Mercury Records

Gravadora: Universal Music Brasil