Tunai e Wagner Tiso apresentam o show "Saudade da Elis" no Tom Jazz em São Paulo

Padrão

Por Tunai – Das grandes referências musicais que tenho, Elis Regina, Milton The Voice NascimentoThe Beatles foram as que mais me marcaram…

Foto: Divulgação

A primeira vez que ouvi Milton, Edu Lobo, Gilberto Gil, Baden Powell, Tom Jobim, Ivan Lins, entre outros grandes artistas, foi na voz de Elis.

O meu sonho de ser incluído nessa lista realizou-se em 1979 com a gravação de As Aparências Enganam, minha com meu parceiro mais constante, Sérgio Natureza, no Estúdio Transamérica (que ficava perto da Mangueira).

Aliás, foi lá, nessa época, que conheci o Bituca, de quem me tornei amigo e compadre, com quem vim poucos meses depois a compor Certas Canções, nossa primeira parceria. Mas aí já é outra história… Lembro-me de ter conhecido “Elis Rainha” por volta de 1973 no Teatro da Praia, no Rio, tendo então sido apresentado a ela por João Bosco (junto com Aldir Blanc, um dos mais gravados pela diva), meu irmão.

Passado algum tempo, combinamos de ir, Sérgio Natureza e eu, ao apartamento dela e do César Camargo Mariano, no Arpoador. Cantei doze músicas, basicamente o repertório de meu 1º LP Todos os Tons (Polygram/1981). Saímos com a amizade, que seria por toda a vida, e a promessa da gravação de uma ou duas músicas inéditas, e era exatamente o que eu precisava para vir de Minas (onde cursava o último ano de engenharia e fazia um estágio de dois anos) pro Rio, viver exclusivamente de música.

Isso aconteceu em dezembro de 1978. Já contabilizava umas 40 músicas inéditas na bagagem.

Em entrevista à Rádio Nacional, por ocasião do lançamento do LP Essa Mulher (WEA/1979), Elis disse:

Se todo mundo resolver compor na família Mucci, vou ter que fazer um disco assim:  Elis Regina interpreta a família Freitas Mucci. Espero que venda, né? Porque fazer um disco só pra oito, vai ser ruço. Eles são incríveis. O Tunai é jovem, tem 28 anos, sofre de ‘engenheirite’ aguda. E, de repente, chega assim… distraído, saca? Olha, vim mostrar uma música. E  mostra dez de uma vez. Aí você fala: Opa, algo chegou de Ponte Nova! E eu tô torcendo por este cara. É uma pessoa incrível. Tipo obstinado. Resolveu que vai transar esta, tá batalhando feito um louco. E eu gosto desta música, As Aparências Enganam. Eu acho que essa letra aí é a letra mais forte deste disco. Que me desculpem meus outros amigos, mas na realidade, em termos de atualidade, de passado e de futuro, eu arrisco que esta música, em termos de longevidade, é a música do disco que vai tocar hoje, daqui a 10 anos. Tá legal, daqui a 25 anos, tá legal, porque as aparências vão sempre mais enganar do que outra coisa”.

Além da amizade, tive o grande privilégio de me hospedar na casa deles, na Cantareira (São Paulo), em 1979, quando Sérgio e eu compusemos Lembre-se (CD Elis Vive – Warner Music/1998) pra ela.

Fiz também uma música instrumental com César Camargo Mariano que dei o nome, obviamente, de Cantareira (LP César Camargo Mariano & Cia – EMI-Odeon/1980), por tudo que vivi, presenciei e aprendi. Ela era mais que “a maior cantora”, também era uma cozinheira de mão cheia, mãe cuidadosa (full time), entre tantas coisas boas.

Eu me lembro de ter dito que eles formavam a dupla mais musical do planeta e ela me corrigiu brava: “Dupla não, casal!” – depois de ouvir, durante a pausa nos ensaios, uma versão de uma das obra primas de Tom e Vinícius, Eu Sei Que Vou Te Amar, num momento intimista de “a voz” e “o piano”. Ela nunca gravou, mas eu nunca me esqueci…

Até hoje Elis influencia as novas cantoras com sua voz belíssima, num repertório certeiro, eclético e maravilhoso. Confesso que não foi fácil chegar a este repertório aqui, que, aliás, foi feito muito antes da bela homenagem que Maria Rita fez à sua mãe (que tive o prazer em assistir ao lado do Bituca, na pré-estréia, que aconteceu no dia 19 de março, no Vivo Rio).

Posso dizer que estou muito feliz por me apresentar neste show com o auxílio luxuoso do grande artista e parceiro da vida inteira de Milton “The Voice”, Wagner Tiso, com quem tive o enorme prazer de me apresentar várias vezes e que também participou de 10 das 17 faixas do meu mais novo CD, Eternamente… (MZA Music/2011).

Saudade da Elis, As Aparências Enganam, 30 anos se passaram e eu sinto que ela está com a gente, maravilhosa como sempre.

Tunai e Wagner Tiso ao vivo no Tom Jazz em São Paulo
Avenida Angélica nº 2331 – Higienópolis
Telefone: (11) 3255-0084
http://www.tomjazz.com.br

Couvert Artístico: R$ 70,00
Horário do show: 22h00
Capacidade: 200 pessoas sentadas
Censura: 14 anos
Duração: Aproximadamente 1h30

Abertura da casa: 2h antes do espetáculo
Formas de pagamento: Dinheiro / Cheque / Todos os Cartões (Débito e Crédito)
Estacionamento com manobrista: R$ 18,00
Ar condicionado
Acesso para portadores de necessidades especiais
Compra por telefone – Ingresso Rápido – Tel: 4003-1212
(Horário de atendimento: segunda a sábado, das 9h às 22h)

Um comentário sobre “Tunai e Wagner Tiso apresentam o show "Saudade da Elis" no Tom Jazz em São Paulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s